Data visualization: segunda parte

No primeiro post desta série falei um pouco sobre como é difícil para nós ligar um gráfico (ou seja, uma visualização de dados) a um significado que faça sentido em nossas vidas. David MacCandless é um jornalista apaixonado por descobrir padrões de significado em gráficos aparentemente neutros. É dele o gráfico do post anterior.

Veja como ele faz para interpretar e explicar gráficos complexos e colocá-los em perspectiva, de forma a gerar um conteúdo rico para que entendamos melhor o mundo em que vivemos.

Depois veja também o terceiro post da série.

TED talk: Emily Pilloton faz design com a comunidade

A designer Emily Pilloton mudou-se para a área rural de Bertie County, na Carolina do Norte, para participar de um audacioso experimento de transformação da comunidade liderada pelo design. Ela está ensinando uma classe de design e construção chamada Studio H que envolve mente e corpo de alunos do ensino médio enquanto os conduz a um design inteligente e novas oportunidades para o condado mais pobre do estado.

Uma iniciativa interessante do que poderíamos chamar de metadesign: em vez de projetar diretamente a solução, a estratégia é de envolver a comunidade para que ela se envolva no projeto.

TED talks, e o Open Translation Project

Sou fã delcarado do TED, um site que promove palestras de pessoas muito interessantes e os divulga pela web. Os palestrantes são, geralmente, expoentes em suas áreas, gente que tem idéias novas e que, com elas, iluminam o nosso ponto de vista sobre as grandes questões, sobre nossa vida, sobre nossa atuação no mundo. Cheguei mesmo a traduzir algumas das paletras para português, que eles incluiram como legenda, para possibilitar o acesso de mais pessoas aos seus conteúdos.

Aliás, se você sabe inglês e tem a disponibilidade de fazer traduções para o TED, consulte o Open Translation Project. Eles têm um sistema muito bem organizado, no qual você tem acesso ao texto original em inglês e traduz linha por linha. A sincronização é automática e o resultado é muito bom. Depois da tradução, um revisor é apontado para fazer pequenas alterações caso estas se façam necessárias.

Se você conhece o site e já assistiu um sem número de videos interessantes, por que não retribuir o conhecimento que você obteve de graça participando da iniciativa? Pense que você estaria dando a muita gente a oportunidade de assistir e compreender melhor a palestra que escolheu para traduzir… e dar acesso à informação é uma das muitas formas de  mudar o mundo, certo?