Algumas referências para o designer digital

Esta é uma relação de alguns nomes chave de pessoas que atuaram e atuam ainda na consctrução da web.

 

Jeffrey Zeldman
http://www.zeldman.com/
http://happycog.com/ 

Tim O’Reilly
http://tim.oreilly.com/

Fabio Sasso
http://abduzeedo.com/
http://zee.com.br/

Jason Santa Maria
http://jasonsantamaria.com/ 

Elliot Jay Stocks
http://elliotjaystocks.com/

Remy Sharp
http://remysharp.com/

Paul Boag
http://www.headscape.co.uk/

Veerle Pieters
http://veerle.duoh.com/ 

Dan Cederholm
http://simplebits.com/

Chris Coyer
http://chriscoyier.net/
http://css-tricks.com/

Mas dá pra usar HTML5 hoje?

Vários desenvolvedores se vêem às voltas com os diferentes níveis de suporte que os navegadores dão ao HTML5. O que fazer quando um recurso do HTML5 é oferecido pelo o Chrome mas não pelo Firefox? A cada nova versão dos navegadores mais tags são suportadas mas o mar de variáveis que envolve o lançamento de um site em HTML5 é tenebroso. Primeiro há que se pensar nos diferentes navegadores, depois em quais tags estes navegadores suportam, e depois nas diferentes versões dos navegadores. Projetar hoje para o Firefox 4 de amanhã não é uma boa idéia, já que uma massa de usuário pode demorar a fazer a atualização. Se pensarmos nos inúmeros usuários do IE, então ficamos desolados… O IE 9, que está inda em beta, irá dar suporte a cerca de metade das tags que o Chrome suporte hoje! E a menos tags que Firefox, Opera e safari suportam hoje… Aliás, do ponto de vista do suporte ao HTML5, Chrome e Safari estão na liderança. Veja a tabela de compatibilidade de navegadores e recursos do HTML5 e CSS3.

Enquanto os navegadores não entram em acordo, o “ideal” seria poder escrever diferentes versões de CSS para diferentes navegadores, para poder assegurar os recursos do HTML5 para os que podem suportá-lo e, ao mesmo tempo, renderizar uma página legível para os que não podem.

Bem, é isto que o Modernizr faz. Trata-se de uma bilbioteca javascript que pode direcionar uma regra CSS para um navegador e outra regra para outro, conforme estes oferecerem ou não suporte às tags em questão.

Desta forma, você pode construir seus novos projetos em HTML5 hoje! Na medida em que novas versões de navegadores forem saindo, supostamente novas do Modernizr também serão, garantindo a compatibilidade ao longo do projeto. E pode-se supor que, à medida em que os navegadores forem todos dando suporte ao HTML5 e CSS3, o Modernizr será cada vez menos necessário.

Sendo assim, HTML5 djá!

ps. em breve esperamos poder oferecer este blog em HTML5 com uma pequena ajuda do Modernizr também…

WordPress e HTML5

Na medida em que as novas versões dos navegadores incorporam a interpretação de tags e regras do HTML5, designers começam a planejar seus sites usando este recurso e o WordPress e sua imensa plataforma de usuários parecem entender que já é hora de partir para o HTML5.

Já são vários os temas que são feitos em HTML5 e o debate sobre quando é o momento para lançamento de blogs feitos nesta versão é intenso. O H5 é um exemplo de tema usando tags HTML5 e que parece ser bem visualizado em qualquer navegador atualizado.

Veja você mesmo. Clique no link acima e veja o código pois a página de divulgação do tema está, ela também, em HTML5 …

HTML5, em direção a uma comunicação máquina para máquina

Achei muito bacana as implementações do HTML5 que já foram absorvidas pelos navegadores e estou a espera das que ainda virão. Vários recursos foram disponibilizados dos quais só vamos tirar proveito na medida em que navegadores e desenvolvedores forem, lentamente, se adaptando à nova versão.

Gostaria, neste artigo, de comentar uma característica do HTML que julgo bastante importante. Até a versão 4, o HTML se voltava para uma marcação de hipertexto para o usuário, o sujeito que fica operando o dispositivo que lê o documento HTML. Desta vez, no entanto, existe uma ênfase em deixar este conteúdo mais inteligível não só para humanos mas também para máquinas. Explico.

Os indexadores (crawlers) dos mecanismos de busca lêem a sua pagina HTML e determinam diferentes graus de importância ao conteúdo disposto nela conforme as tags HTML. O texto que está entre um comando <h2> e </h2> por exemplo, é um título, e deve ter um peso maior que o texto colocando entre um <p> e um </p>.

Agora com tags como <section>, <aside> e <article>, <footer> os mecanismos de busca vão poder separar diferentes partes de conteúdo e indexá-las de forma diferente. O resultado é que as buscas na web serão mais eficientes e detalhadas. E, como se sabe, a web é uma repositório imenso de informação, o grande desafio é classificar e organizar esta informação, tarefa que o Google tem cumprido, até agora, com grande sucesso.

Sendo assim, que seja bem-vinda a nova versão e esperar que os desenvovedores, designers e estudantes de design se voltem para a compreensão do HTML5.

Estamos aqui, no Carambola, pensando em fazer um breve curso de HTML5 em breve.